Médicos Cooperados

Sair

Sinergia na rede própria

Integração entre PAs e Hospital garantem resultado positivo

Os prontos atendimentos da Barra e Copacabana realizaram 29,6 mil atendimentos em abril e vêm atingindo todos os objetivos: atendimento de qualidade, mensurado pelo índice de satisfação dos clientes, de mais de 90%, e redução do custo assistencial, medido especialmente pela taxa de internação, que se mantém menor que 2%.  Os resultados recordes das duas unidades próprias foram apresentados no VI Congresso Médico Unimed durante a mesa redonda “O Sistema de Atendimento de Urgência e Emergência da Unimed-Rio”.

“Liderança de mercado, concentração dos prestadores e carência de leitos de qualidade na rede privada são motivos que levaram a Unimed-Rio a criar sua rede própria. O PA Barra foi a primeira unidade a ser inaugurada, em 2010, passamos por diversas adequações, mas é com muito orgulho que hoje, dois anos e meio depois, apresentamos esses resultados motivadores”, disse Dr. Eduardo Antônio,ex-coordenador  médico da unidade e atual rotina médica da UTI Geral do Hospital Unimed-Rio.

Mônica Rocha, coordenadora médica do PA Copa, lembrou que, hoje, a unidade, com um ano e meio de vida, atinge sua capacidade plena com louvor: “Em abril de 2012 realizamos seis mil atendimentos, um ano depois, esse número mais que dobrou e ainda assim nosso índice de satisfação entre os clientes foi de 97% no primeiro trimestre e nossa taxa de internação não chegou a 1,3%, enquanto no hospital de referência da região foi de 9%”.

Suporte Hospitalar: uma unidade resolutiva
A eficiência dos atendimentos nos PAs se torna ainda mais evidente quando analisadas as taxas de internação e liberações dos pacientes atendidos pela Unidade de Suporte Hospitalar do Hospital Unimed-Rio. “O índice de liberações dos pacientes provenientes da rede credenciada é muito maior do que daqueles que vêm dos prontos atendimentos da Unimed-Rio. Isso mostra a eficiência do filtro que é feito nas nossas unidades emergenciais”, afirma Marcelo Assad, coordenador médico da Unidade de Suporte Hospitalar do Hospital Unimed-Rio.

Desde que o hospital foi aberto, em 3 de janeiro, até 25 de abril, 708 pacientes passaram pela USH, sendo que 514 foram internados e 206 liberados. Do PA Barra, chegam 48% dos pacientes, do PA Copa, 14%, e o restante de outras emergências e hospitais. “Somos uma unidade resolutiva, não definimos simplesmente para onde o paciente deve ir. A maioria deles fica aqui por mais de três horas”, lembra Marcelo Assad.

A Unidade de Suporte Hospitalar tem entre algumas de suas principais atribuições a absorção de transferências, a investigação diagnóstica e o atendimento interno (colaboradores). O comprometimento de seu time de resposta rápida foi traduzido pelo coordenador médico em um poema de Paulo Mendes Campos: “E não olhei a ferrovia - mas o homem que sangrou na ferrovia; E não olhei a fábrica - mas o homem que se consumiu na fábrica; E não olhei mais a estrela - mas o rosto que refletiu o seu fulgor”.

A mesa foi composta por Carlos Alberto Chiesa, gerente geral de Recursos Próprios; Andrea London, gerente dos prontos atendimentos; e Ana Calçada, especialista em Medicina Preventiva. A apresentação foi prestigiada pelo Dr. Luiz Antonio, diretor Médico do Hospital Unimed-Rio; Dr. Eduardo Assis, diretor de Recursos Próprios e Assistenciais da Unimed-Rio Empreendimentos Médicos e Hospitalares e Dra. Ana Maria Mola, Superintendente Médica da Unimed-Rio.

Emergênci a & Terapia Intensiva: análise
“O Sistema de Atendimento de Urgência e Emergência da Unimed-Rio” foi a primeira apresentação realizada no Congresso dentro do tema Emergência & Terapia Intensiva. Também foram realizadas conferência sobre a doença pulmonar obstrutiva crônica e duas mesas redondas sobre sepse e transplante de órgãos.


Confira análise do Dr. Renato Vieira Gomes, um dos coordenadores desse tema, ao lado de Pedro Nogueira, durante o congresso.